Comportamento,  Opinião

Existem coisas que não mudam… Ainda bem!

Existem coisas que não mudam e nunca vão mudar. Na sexta-feira (27) foi aniversário da minha amiga Emily Fernanda e duas amigas dela, Bruna e Bia, organizaram com muito sucesso uma festa surpresa. Foram os amigos mais próximos, aquela turma do cotidiano, que tá sempre ali, pro que der e vier, para o bom e para o ruim também. Sou de humanas e péssima em estimativa, mas o DataMoça aposta em 70% para o número de pessoas próximas que o são desde os tempos do colégio. Faz cinco anos que saímos da escola – o restante era família e um ou dois amigos novos.

A turma da festa surpresa. Boa parte está junta desde os tempos de colégio!
A turma da festa surpresa. Boa parte está junta desde os tempos de colégio!

Algumas coisas nunca vão mudar e que bom que é assim que funciona. Observei cada uma daquelas pessoas e lembrei das manhãs que passávamos na escola, das resenhas que compartilhávamos nos intervalos, dos planos para o final de semana e do update em plena segunda-feira. Não tínhamos metade do avanço tecnológico que temos hoje, tampouco a liberdade de sair quando bem quisermos como atualmente. Mas era incrível o tanto que a gente se divertia, estava juntas e, cada uma ao seu modo, era amiga uma da outra. Continua assim. Todos com seu jeitinho de sempre, mas com o ar mais maduro que a vida nos obriga a ter. Não que isso reflita em mau humor, sisudez. É que pude perceber: apesar das porradas que passamos a tomar na vida adulta, o carinho pelo amigo e o cuidado com a amizade continuam intactos.

É tão gostoso! É exatamente como imaginávamos que seria quando estávamos debutando. Mentira. Não exatamente, mas não esperávamos menos do futuro que vivemos hoje: amizade, carinho, amor, lealdade, união. Sou muito grata por ter vivido este momento e por ter comigo as amigas que me viram crescer, assim como sou grata por cada uma delas terem também não só o nosso grupo, como outros grupos de meninas que a viram crescer e se desenvolver. E sou mais grata ainda por podermos confraternizar todas juntas. Muito obrigada!

~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~

O ano começou conturbado com uma virada de ano em que só se falava sobre o racismo enraizado na estrutura social brasileira e como não somos orientados a apreciar a beleza negra. Apesar das quatro horas de discussão, rompi o ano como queria: com as amigas, na beira da praia. De quebra ainda cumpri uma das superstições de ano novo, que é abraçar primeiro um homem, pra ter sorte no amor. Fica aí a expectativa, né?

Rompi o ano na praia do Farol da Barra, na companhia do grupo!
Rompi o ano na praia do Farol da Barra, na companhia do grupo!

Sou toda supersticiosa com os inícios de ano e tento fazer coisas que possam atrair outras semelhantes. Uma delas foi explorar o desconhecido, o que fiz na caravana do blog Bonecas no Boteco, de Raiza Cardoso. Fomos a três restaurantes: um em São Tomé de Paripe, onde comemos uma casquinha de siri; em Ilha de São João, para comer moqueca e salada de peguari (NHAM, chega aguei rsrs); e em Simões Filho, experimentar a galinha caipira do padre. Comidas muito boas, preço justo, companhia bacana e uma vista de tirar o fôlego – pelo menos em Ilha, que dá de cara com a Baía de Aratu.

Essa foto ficou mais linda por causa da Baía de Aratu. Que bênção, viu?!
Essa foto ficou mais linda por causa da Baía de Aratu. Que bênção, viu?!

Nesse mês encarei a assistente de fotógrafo e vi por outro ângulo o compromisso do casamento entre pessoas tão católicas. Profissional e pessoalmente uma experiência tocante, de nos fazer ter vontade de encontrar alguém para viver, amadurecer e envelhecer junto. É isso é tão meu! O coração às vezes agonia um pouco com o tempo de Deus para as coisas acontecerem, mas sei também que quando acontecer será melhor do que eu desejava. Ter contato com um amor tão bonito, seja ele qual for, fortalece nossa fé. Comecei o ano assim: reenergizado, fortalecida, crente no que está por vir. Meu sinceros votos de felicidade aos noivos e de agradecimento a Vagner Oliveira, da Buenas Imagens, pela oportunidade.

Vagner Oliveira, da Buenas Imagens, e eu. Um tempinho livre entre o dia de noiva e a cerimônia
Vagner Oliveira, da Buenas Imagens, e eu. Um tempinho livre entre o dia de noiva e a cerimônia

Também recomecei a corrida nesse mês e tenho me readaptado bem à rotina, apesar de não segui-la com a disciplina que gostaria. Mas fevereiro tá aí, quem sabe não consigo?

Uso o app Nike Run Club + pra acompanhar meu rendimento. E vocês?
Uso o app Nike Run Club + pra acompanhar meu rendimento. E vocês?

Ah! Nesse mês também participei do lançamento do Big Brother Brasil 17 ( aham, de-zes-se-te!) aqui em Salvador, na Casa do Sol, da Rede Bahia, na Barra. Alguns influencers e blogueiros daqui de Salvador participaram do evento, que deu como brinde uma caneca do BBB e o copo (tããão lindo!) nos quais eram servidas as bebidas. Obrigada, pessoal, pela oportunidade! 🙏🏽

O look escolhido foi uma calça pantacourt e um cropped. Confortavelmente no estilo :)
O look escolhido foi uma calça pantacourt e um cropped. Confortavelmente no estilo 🙂

Encerro agradecendo a Claudia Cardozo, da Buenas também, pela parceria com as fotos. São tão lindas, aproveitamos tanto o espaço, os looks e as imagens com os textos que publico todo domingo. Orgulho e um banho constante de autoestima. Não é todo mundo que consegue isso, não. Ob-r-i-g-a-d-a! <3

Processed with VSCO with c1 preset

Janeiro termina dentro de dois dias para que um novo mês nos traga aquilo que precisamos e o que temos merecimento. Deus sabe de tudo.

Um beijo!

Curiosa, jornalista e libriana. Mestranda no PósCom/Ufba, interessada nos valores - os meus, os seus, os de notícia e os humanos. Se piscar o olho, o cochilo vem, mas os olhos sempre estão abertos para uma série ou outra que desperte o interesse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *