Você queria estar assim com a pessoa que gosta – eu também

Deitados na cama ouvindo SZA, as janelas fechadas não impedem que o uivo do vento lá fora invada o quarto. A gente conversa sobre o quanto as pessoas são loucas por não fazerem o que têm vontade, até que rimos, de gargalhar, porque nós dois já fomos um pouco loucos. Olhamos no olho, testa com testa, minhas mãos carinhosamente afagam seu rosto para que um beijo, enfim, prove o quanto acertamos em deixar que as coisas seguissem por este caminho.

Não é necessário nenhum “eu te amo” tradicional, com toda a formalidade para oficializar um sentimento. O corpo fala, o olhar mais ainda. As atitudes, então, entregam o que a mente talvez nem tenha processado ainda. É um chicletinho que não perde o doce, é grude que não enjoa, é, como dizia o poeta, fogo que arde sem que a gente veja. Só dá pra sentir o calor do toque, a crença num caminho novo que se apresenta e a vontade de que chuva nenhuma seja capaz de apagá-lo.

Você queria estar assim com a pessoa que você gosta. Eu queria.

Não é só pelo sexo, não é pelo status, nem mesmo porque ficar sozinho não tem graça. É porque desde o último encontro já não faz sentido permanecer separados. Há algum tempo grita do lado de dentro a vontade de estar sem que seja preciso ir embora e, ainda que não planejado, foram dadas as boas vindas ao desejo de compartilhar a vida com alguém. Uma série que estou assistindo, o modo curioso como alguém puxou assunto na fila da padaria hoje, a barbeiragem que algum doido fez no trânsito na última vez que me deu vontade de pegar o carro. Inclusive, que bom poder lhe apresentar SZA. Gostou? Ela é ótima!

Eu sei que você queria estar assim com a pessoa que você gosta. Eu queria.

E não só estar, mas dizer também. Obrigada por não ter deixado passar a oportunidade de ter ao seu lado um mulherão como eu – risos, muitos risos. Obrigada por ter me dado a chance de conhecer cada dia um pouco mais alguém tão incrível como você.

Vamos ali no terraço do Glauber ver o anoitecer e aventurar sair de lá apenas quando a última estrela se apagar, caso ninguém nos expulse antes?! Aproveita que esse romantismo é só porque a Lua tá em Câncer. Em dias normais, eu prefiro mil vezes comer um Mc enquanto falamos besteiras em algum ponto mort… ops, desert… ops, tranquilo dessa cidade. Já disse como a gente foi doido por demorar tanto pra ficar junto? Risos, muitos risos. Testa com testa. Um beijo pra sacramentar nossa decisão, enfim, acertada.

Um dia você vai estar assim com a pessoa que você gosta. Eu também.

Compartilhe com as amigas
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrPin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *