Espiral de Ilusão e o Brasil dos anos 2000

Dia desses um conhecido perguntou no Facebook se havia algum músico escrevendo ou cantando algo sobre o momento político pelo qual passa o Brasil. É, essa fase de pós-impeachment, democracia ameaçada, Operação Lava Jato, corrupção sistêmica, gente privilegiada ditando o futuro da classe trabalhadora e historicamente discriminada. Algumas pessoas se manifestaram com links do YouTube e eu logo lembrei de ‘Menino Mimado‘. E ‘Hora da Ilusão‘. E ‘Cria de Favela‘ também. Todas do álbum Espiral de Ilusão, de Criolo.

Criolo (Foto: Caroline Bittencourt)
Criolo (Foto: Caroline Bittencourt / Rap Nacional Download)

É tipo Chico Buarque, quando no ápice da ditadura cantava verdades sob notas capazes de embalar até os mais extremistas dos radicais da ultradireita. A melodia suave e o samba no estilo Cartola envolvem realidades da nossa conjuntura política atual. Também pudera, em se tratando de um álbum lançado em abril deste ano. E que ano conturbado esse, não é mesmo?

“Quem vai lucrar com essa patifaria
É gente da alta na papelaria
Delação premiada jogo de poder
E se for pra rua tentam me deter”
(Cria de Favela – Criolo)

Lá em terras brasilienses, os “meninos mimados” se sentem à vontade para camuflar possíveis verdades que os tirariam do gozo dos seus privilégios. E ainda que a Justiça cega consiga pegá-los, ainda assim eles prestariam contas sob circunstância inalcançáveis à maioria dos nossos. Lá eles estão mais dispostos a manter suas regalias e pouco parecem se importar com o abismo social que dia após dia, historicamente, bate em nossas faces através da violência, do roubo, do latrocínio, do homicídio. Foi um grupo desses tais meninos que conseguiu destruir com o segundo estado mais importante do país, o Estado sequer tem condições de manter o funcionalismo público básico.

“Eu não quero viver assim, mastigar desilusão
Este abismo social requer atenção
Foco, força e fé, já falou meu irmão
Meninos mimados não podem reger a nação”
(Menino Mimado – Criolo)

É um álbum que a gente ouve um vez, contempla a qualidade e as referências musicais. De uma segunda escuta, a gente presta atenção nas canções e reflete sobre essa nossa realidade que certamente marcará os anos 2000. Mas é também um álbum que acalenta, que distribui realidade e manifesto nas narrativas do cotidiano. Exemplos disso são ‘Filha do Maneco’ e ‘Lá Vem Você’. Em uma letra simples e objetiva, a de faixa homônima ao álbum, Criolo também canta experiências que nós, mulheres, temos frequentemente com os homens.

“Abaixe o seu tom, não fale por mim
Mulher tem fibra, não vai destruir
Num espiral de ilusão você se meteu e lá me jogou
Com você foi total desamor”. E não é assim?”
(Espiral de Ilusão – Criolo)

Queria fazer uma lista das minhas músicas favoritas desse álbum, mas falharia nessa tentativa. A calmaria que me dá em todas as faixas é a de chamar os amigos, trazer todo mundo pra perto, distribuir amor, comer um churrasquinho e fazer um samba para celebrar. Comemorar a paz, sabe?! E daí reenergizar para, quem sabe, contribuir para que as coisas mudem de figura nos próximos anos. Vou deixar vocês com esse sentimento também, através do álbum de Espiral de Ilusão no YouTube.

 

Compartilhe com as amigas
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrPin on PinterestEmail this to someone

2 thoughts on “Espiral de Ilusão e o Brasil dos anos 2000

  1. Obrigada por este post maravilhoso. Já conhecia o álbum, no entanto alguns detalhes haviam passado despercebidos. Ah, sua escrita é muito bem feita. Parabéns!!!
    Beijos. Paz e bem.

    1. Oh, que linda! Obrigada pela visita, pelo elogio! Espiral de Ilusão é um álbum incrivelmente gostoso de ouvir e cheio de lições. Bom que você gosta dele também!
      Volte mais vezes! Beijo <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>